sexta-feira, 1 de maio de 2015

Bendito é o fruto do teu ventre

Conheça a história de Nádia Fernanda Oliveira Fortunato, mãe de três filhos e nossa paroquiana homenageada de maio

Por Isabela Gaspar 

Ela tem três filhos com idades diferentes, um menino de 19, uma menina de 18 e uma bebê de um ano. É casada, cuida da casa, do marido e ainda é professora. Quem dá conta de tudo isso é Nádia Fernanda Oliveira Fortunato, exemplo de mãe que trazemos para esta matéria especial  em homenagem àquelas que são imagem e semelhança da Mãe do céu.

Nádia começou a “vida de mãe” com Ramon, que foi o seu primeiro presente. “Contava os dias, não via a hora de ver seu rostinho e sentir aquele cheirinho de bebê em casa. Foi com ele que amadureci e comecei enxergar a vida com outros olhos”, diz.

Ramon não foi o único por muito tempo, logo que completou um ano, a mamãe ficou sabendo que a princesinha Rafaela ia chegar também. “Não foi fácil, minha vida mudou muito, mas sempre pude contar com a presença constante dos familiares e vejo os filhos como bênçãos de Deus”, relata.

Agora Nádia tinha um casal, o Ramon e a Rafaela, que enchiam a casa e a família de alegria, além de terem crescido dentro da fé Cristã. “Eles cresceram sempre me dando orgulho e satisfação, cada um com sua característica marcante. O Ramon é independente desde pequeno e a Rafaela é determinada. São companheiros um do outro, educados e perseverantes”, comenta.

A vida seguia normalmente até que 16 anos se passaram e um novo exame de gravidez foi feito. Nádia estava grávida de seu terceiro filho! Ela confessa que ficou alguns dias tentando entender se realmente aquilo estava acontecendo, mas chegou à conclusão que Deus havia presenteado a família com outro anjo. Valentina, a guerreira, estava chegando.

A nova princesinha da família foi um bebê prematuro e nem tudo no começo foram flores, mas com fé e perseverança em Deus e Nossa Senhora, Valentina foi vitoriosa em tudo que passou. “Um quadro de infecção a fez ficar na UTI neonatal por 10 dias. Sabia que era para o bem dela, mas é doloroso demais não poder pegar seu bebê no colo. É uma dor que não há palavra que defina, ao ver aquela criança tão frágil, tão pequenina precisando de ajuda e você se sentir impotente. O que nos resta nesse momento é a fé, é sentir que Deus está ali e olhando por nós.  É esse apego com nosso Pai que me fortaleceu e me deu forças pra reagir. Todos os dias eu estava lá, do lado dela. Até que, finalmente ela conheceu seu lar, mas voltou a ficar no hospital com quatro meses , pois estava com pneumonia. Coração de mãe se alegra, mas também sofre. Foram dias difíceis,mas vencemos”, relata.


Mães assim como a Nádia nos fazem ter a certeza de que Deus, por intercessão de Nossa Senhora, sempre coloca anjos para cuidar de outros anjos aqui na Terra. Mães são preciosas, são nossas riquezas e possuem características peculiares que só mãe mesmo sabe ter. São de fé, corajosas, amorosas, guerreiras, trabalhadoras, divertidas, devotas de Nossa Senhora e fazem parte da #RedeDeIrmãos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário