domingo, 26 de fevereiro de 2012

Um pouco mais sobre a Campanha da Fraternidade 2012

É sempre bom saber um pouco mais do que anda rolando na Paróquia São Paulo Apóstolo. Por isso, entrevistamos o casal Ailton e Sandra Zagato, membros da equipe da CF.
Fique por dentro!


Quais as ações propostas pela equipe da CF?
As ações propostas para a CF deste ano na Paróquia São Paulo Apóstolo vão desde palestras até ações concretas, cujo objetivo é refletir sobre a realidade da saúde no Brasil, incentivando e disseminando conceitos para que todos que tenham uma vida saudável. Previamente a Equipe de Coordenação divulgará as atividades que acontecerão na Paróquia.

·De que forma a comunidade poderá contribuir nas ações que serão realizadas?
A Equipe de Coordenação Paroquial da CF espera que a comunidade participe ativamente dos Encontros de Família, cujo livro elaborado pela CNBB tem um ótimo conteúdo sobre os objetivos da Campanha, e que participe também de todos os eventos programados, nos quais serão levantados todos os tópicos incentivando a cultura de uma vida saudável.

·A Campanha da Fraternidade também possui o intuito de suscitar as ações da Pastoral da Saúde?
Nos encontros e palestras que participamos em Bauru, a Pastoral Diocesana da Saúde está engajada na Campanha da Fraternidade, uma vez que o assunto é pertinente. Esse também é nosso objetivo aqui em Agudos, de incentivar que outras pastorais participem e colaborem no debate da CF deste ano.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

QUARTA-FEIRA DE CINZAS E ABERTURA DA CF 2012

Reportagem: Isabela Gaspar 
            “Estamos em um tempo muito especial, tempo da quaresma e da Campanha da Fraternidade. Nesse tempo, devemos refletir e rezar dentro da espiritualidade, fazendo com que o nosso jejum e a nossa penitência seja um momento de fortalecimento espiritual”, afirmou Frei Ademir Sanquetti durante missa que marcou a quarta-feira de cinzas e a abertura da Campanha da Fraternidade 2012.
Cerca de 200 pessoas participaram deste momento, que marca o início da quaresma definida como os quarenta dias de preparação para a Páscoa. Um período de conversão e penitência, pois neste tempo, Jesus foi tentando no deserto por satanás.
Outro momento importante na celebração foi a abertura da Campanha da Fraternidade que este ano traz como tema: “Fraternidade e a Saúde Pública e o lema: “Que a saúde se difunda sobre a Terra (Cf. Eclo, 38,8)”. A equipe que coordena as ações da CF na Paróquia lembrou da importância da saúde em nosso país.
“Após o fortalecimento espiritual, vem a saúde e uma vida digna na família e na sociedade. Que este tempo quaresmal seja um momento para que todos possam refletir e mudar um pouco o nosso ritmo de vida, pensando na saúde do corpo de alma”, completou Frei Ademir.
Ao final todos puderam assistir a um vídeo preparado pela equipe da CF, com imagens que refletem a situação dos doentes hoje no Brasil e quais as ações podemos tomar para melhorar este quadro.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Palestra sobre a Campanha da Fraternidade refletiu a humanização na saúde

Reportagem: Isabela Gaspar
            Na última sexta-feira, dia 17 de Fevereiro, a Paróquia Santo Antônio em parceria com a Paróquia São Paulo Apóstolo, realizou palestra para exposição do tema da Campanha da Fraternidade 2012 que, neste ano, discute sobre a fraternidade e a saúde pública no Brasil.
            O evento contou com a participação de cerca de 50 pessoas entre paroquianos, representantes das escolas do município de Agudos e do secretário da saúde Altair Francisco Silva.
            Os palestrantes Gerson Luiz Alves Pinheiro (coordenador diocesano da Campanha da Fraternidade) e Klaudio Cóffani Nunes (membro da equipe diocesana da Campanha da Fraternidade), mostraram aos presentes sobre a importância da saúde com seres humanos tratados de forma igualitária no que tange ao atendimento. “A saúde deve ser humanizada, ou seja, atendimento à pessoa buscando dar atenção. Além do sistema de saúde valorizar o profissional da saúde, de acordo com o que ele merece”, afirma Klaudio Cóffani.
            Cóffani ainda mencionou a importância da articulação da saúde com a alimentação, educação, trabalho, remuneração, promoção da mulher, da criança, da ecologia e do meio ambiente.
            Ao final, deixou a mensagem para que todos se mobilizem e proponham ações de melhoria na saúde.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Uma atenção para a saúde

Frei Ademir Sanquetti

Neste ano, a Campanha da Fraternidade traz o tema: “A fraterni­dade e a Saúde Pública”, com o lema: Que a saúde se difunda sobre a terra (cf. Eclo 38,8). A Igreja deseja sensibilizar a todos sobre a dura realidade de irmãos e irmãs que não têm acesso à assistência de saú­de pública condizente com suas necessidades e dignidade.
Neste tempo de quaresma é fundamental que existam ações transformadoras, pois a conversão pede que as estruturas de morte sejam transformadas.
A vida, a saúde e a doença são realidades profundas, envoltas em mistérios. Diante delas, as ciências não se encontram em condições de oferecer uma palavra definitiva, mesmo com todo o aparato tecnológico hoje disponível.
Assim, as enfermidades, o sofrimento e a morte apresentam-se como realidades duras de serem enfrentadas e contrariam os anseios de vida e bem-estar do ser humano.

O sofrimento redentor de Cristo leva o homem ao reencontro com seus próprios sofrimentos. Mediante a fé em Jesus, o sofrimento é enriquecido por um novo conteúdo e com um novo significado.
Este processo foi vivido por São Paulo que assim o expressou: “Com Cristo fui pregado na cruz. Eu vivo, mas não eu: é Cristo que vive em mim. Minha vida atual na carne, eu a vivo na fé, crendo no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (cf. Gl 2,19-20).
A cruz de Cristo ilumina a vida humana, especialmente o so­frimento e a morte. “Quem permanece por muito tempo próximo das pessoas que sofrem, conhece a angústia e as lágrimas, mas também o milagre da ale­gria, fruto do amor”. Com estas palavras, o Papa Bento XVI descreve uma experiência edificante do sofrimento: na Igreja, os doentes evangelizam e recordam que a esperança repousa em Deus.
Deste modo, no contexto eclesial os doentes e os sofredores não se resumem a destinatários de atenções e de cuidados, pois exercem o protagonismo na evangelização com um testemunho profundo, o do sofrimento aceito e oferecido, o milagre do amor. (PAPA BENTO XVI. Discurso na Assembléia do Pontifício Conselho para a Pastoral no campo da saúde. L'Osservatore Romano, 22/3/2007).
Os enfermos, por sua condição de fragilidade e vulnerabilidade devido à doença e ao sofrimento constituem-se em sinais dos valores que são essenciais na nossa vida em meio a tantas coisas supérfluas. A resposta frente a esta realidade é nossa solidariedade samaritana.
Os exemplos e testemunhos encontrados nesta área da saúde, nos evangelizam! Na Bíblia há várias passagens sobre os doentes: “Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igre­ja, para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo no nome do Senhor” (cf. Tg 5,14). Se os enfermos evangelizam, também provocam uma resposta da Igreja. Primeiro, a oração na fé, “a oração feita com fé salvará o doente, e o Senhor o levantará” (cf. Tg 5,15).
Justamente no atrair sobre a situação de doença e sofrimento a ação do Ressus­citado e do seu Espírito reside na grande importância da Pastoral da Saúde.
Um doente curado pela ação de Cristo, por meio das ações da Igreja constitui uma grande alegria na terra e no céu, é premissa de vida eterna.
Que a saúde se difunda sobre a terra!